29 de setembro de 2014

Na festa de 2 anos do Lucas, Salton Moscatel

Nome: Salton Moscatel
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Produtor: Salton
Importador:

Uvas/Corte: Moscatel
Teor alcoólico: 7,5%
Preço: Gentilmente oferecido por Carol e Marcelo
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 31 de maio de 2014
Onde bebeu: Aniversário de 2 anos do Lucas
Harmonizado com: Caldos, salgadinhos e churrasquinho
Com quem: Claudio, Rafaela, Carol, Marcelo, Lucas e mais uns 150 portugueses

Comentário do Produtor
Elaborado com uvas da variedade Moscato, fermentado em tanques de aço inoxidável hermético (Método Charmat) à baixa temperatura, com fermentos selecionados específicos para que o produto preserve os aromas primários da variedade. Coloração amarela claro esverdeada brilhante, com espuma abundante e grande quantidade de finas borbulhas, nuances de aromas de flores cítricas, frutas tropicais e maçã verde. Sabor levemente ácido cremoso e com um intenso frutado.

Impressões da Rafaela
Não existe espumante que a Carol goste mais do que deste Salton Moscatel. No casamento dela e do Marcelo, foi a bebida escolhida para os muitos brindes. Na comemoração de dois anos do Lucas não seria diferente. Eu, particularmente, adoro o gosto adocicado da Moscatel. A festona foi realizada, como todas as festas da família, no play do prédio dos simpáticos pais da Carol, a superanimada Ermelinda e o mais reservado Armandino. Foi bem divertida.  Lucas é um menininho que além de lindo é muito bem humorado, risonho, alegre, feliz por natureza. Bom, sendo filho da Carol e do Marcelo, não poderia ser diferente. Feliz aniversário, nosso Pequeno Príncipe!

Um delicado vinho francês: Georges Descombes Brouilly 2011

Nome: Georges Descombes Brouilly Vieilles Vignes
Safra: 2011
País: França
Região: Brouilly, Villie Morgon
Produtor: G. Descombes
Importador: -

Uvas/Corte: Gamay 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça, com cera como lacre
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Le Vin au Vert, Paris
Quando foi comprado: Agosto de 2013
Degustado em: 30 de maio de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pizzas caseiras
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela
O dia seria dedicado integralmente aos estudos, mas há sempre uma ou outra coisinha para se fazer em casa. Acabou se tornando um dia de atividades diversas - academia, compras no Hortifruti, preparação de legumes para os pratos que seriam preparados mais tarde, almoço no Casarão Esteves, compras no Zona Sul - e até mesmo um pouco de estudo. Enquanto eu tentava me concentrar nas leituras, Claudio fazia empanadas e preparava a massa das pizzas que faríamos logo depois. Tudo ficou muito bom! Para acompanhar as pizzas deliciosas, um vinho fantástico, leve, delicado, gostoso. Quando menos se espera, a bebida já está no fim. Vale muito experimentar.

Comentário do Claudio
Exame visual: Rubi claro e vivo.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Comprei este vinho na última vez que estivemos juntos em Paris. Durante um jantar, conhecemos o dono de um winebar/loja de vinhos especializada em vinhos naturais. No dia seguinte passei pela loja e ele me indicou alguns vinhos. Havia dito que era fã dos Morgon do Marcel Lapierre e assim acabei comprando esta garrafa. Um vinho feito de Gamay, mostrou as boas características dos Morgon: uma bela fruta fresca em boca, paladar limpo, envolvente, leve e fácil de se beber. Um vinho verdadeiro e prazeroso. Boa dica, excelente vinho.

Jamilla's Vineyard S. V. Perdriel - Malbec 2010

Nome: Jamilla's Vineyard S. V. Perdriel
Safra: 2010
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Casarena
Importador: -

Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 14,9%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente nos presenteado pelo Déco Rossi
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: 27 de maio de 2014
Degustado em: 27 de maio de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pão fresquinho feito pelo Claudio e queijos
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Sólo algunos lugares en el mundo pueden brindar vinos de calidad única con carácter fuerte y personalidad definida. Los distritos de Agrelo y Perdriel están entre estos terruños privilegiados. Nuestros Single Vineyard Agrelo y Single Vineyard Perdriel, son vinos diseñados bajo el mismo método de elaboración para descubrir al máximo y por separado, el potencial y cualidades de cada terroir.

Impressões da Rafaela
Depois de um dia tranquilo de trabalho, fui assistir à palestra que o Déco (Enodeco) faria no Consulado da Argentina, que fica a apenas alguns minutinhos do trabalho. Eu gostei muito de aprender mais sobre as regiões vinícolas da Argentina. No final da apresentação, degustamos sete vinhos. Este Casarena foi o que mais gostei. Comentei com o Déco que o Claudio havia me enviado mensagens para que eu levasse um restinho de vinho para nosso jantar. Então ele, gentil como sempre, me trouxe uma garrafa novinha! Quase morri de vergonha, claro, mas voltei feliz para casa. Claudio havia feito um pão naquela tarde e tínhamos um jantar especial organizado em minutos. Muito obrigada, Déco! Adorei este vinho.

Comentário do Claudio
Exame visual: Rubi vivo e intenso.
Exame olfativo: Leve álcool no início, notas de embutidos e frutas negras.
Exame gustativo: Nosso amigo Déco Rossi veio ao Rio de Janeiro para dar uma palestra, pois ele é o representante da Wines of Argentina no Brasil. Infelizmente não pude ir ao evento, mas a Rafaela foi nos representando. Pedi para ele me mandar a sobra de algum dos vinhos apresentados na palestra para eu provar em casa. Gentilmente, Déco nos presenteou com um vinho muito bem escolhido. Não conhecia este Malbec da vinícola Casarena. Malbec com muita personalidade, de muita estrutura e presença em boca, mas sem aquela extração exagerada e enjoativa que encontramos em alguns vinhos argentinos. Vinho ainda jovem que tem tudo para evoluir bem em garrafa. Evoluiu bem na taça, mostrou um final longo com claras notas de ameixa. Depois de um tempo aberto, o vinho se mostrou mais redondo, e outras notas frutadas foram aparecendo. Boa complexidade, ótimo vinho. Vale comprar uma garrafa para guardar um tempo na adega. Obrigado, Déco, pelo vinho e parabéns pela escolha.

28 de setembro de 2014

Um vinho que traz ótimas lembranças: Bolgheri Rosso 2011

Nome: Bolgheri Rosso
Safra: 2011
País: Itália
Região: Bolgheri
Produtor: Michele Satta, Castagneto Carducci
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon 30%, Sangiovese 30%, Merlot 20%, Teroldego 10% e Syrah 10%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: 7,50 euros
Onde foi comprado: Osteria Tognoni, em Bolgheri
Quando foi comprado: Julho de 2013
Degustado em: 25 de maio de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa com três molhos - tomate, pesto e gorgonzola
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
This wine is the expression of the vineyard (about 20 hectares) which I have planted in recent years having in mind the project "Bolgheri", the objective of enhancing the features of this territory for a large font and red ones. All the grapes are cultivated with ancient attentions and dedication, in a high density vineyard (approximately 6200 plants/ha) where I take care of the natural balance of the vineyard. In harvest I choose with manual harvesting the grapes to perfect ripeness and perform fermentation without adding artificial yeasts, on the skins for at least three weeks. After 12 months in oak barrels, the wine is bottled without filtration and stay in the cellar for 6 months before being sold. Colour: intense ruby red. Bouquet: intense and fresh notes of red and black fruit with perceptions of scents of leather and tobacco. Flavour: harmonious and drinkability where fresh fruit sensations are accompanied in a solid tannic structure and a persistent finish. Accompaniment: all meat dishes with rich sauces and starters.

Impressões da Rafaela
Este é um daqueles vinhos que tão logo é aberto, você já sente que se trata de uma ótima opção. É uma bebida supercheirosa. Havíamos feito um jantar para a família na sexta-feira à noite. Como sobraram alguns molhos, sugeri ao Claudio que fizéssemos mais um pouco de massa. Para não comprometer os estudos da tarde, escolhemos esta meia garrafa. É um daqueles vinhos que depois de prová-lo você fica se perguntando por que não comprou uma garrafa grande. Bom, a resposta neste caso é que já estávamos com as malas cheiras, era final da viagem, sem chance de trazer muito mais garrafas, mesmo que este valesse - e muito - dar uma apertada na mala. Vinho perfeito, gastronômico, que foi muito bem com a massa. Almoço perfeito. Ainda mais com o restinho de doce de coco que sobrou para a sobremesa.

Comentário do Claudio
Exame visual: Um límpido rubi.
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Compramos esta meia garrafa quando passamos por Bolgheri na Itália. O vilarejo é pequeno, mas um lugar muito agradável de se passear. Almoçamos em um restaurante/loja de vinhos e durante o almoço fiquei pensando quais vinhos comprar para trazer para casa. Entre outros, resolvemos comprar esta meia garrafa. Tão logo a colocamos na taça, pensei que deveria ter trazido uma garrafa inteira. Um vinho bem italiano, de perfil gastronômico, taninos bem marcados e bem seco em boca. Vinho de boa estrutura e que poderia evoluir bem em garrafa. Estilo de vinho do Velho Mundo, vivo em boca, até um pouco rústico, mas um vinho verdadeiro, sem maquiagens, com personalidade. Estilo que eu gosto bastante. Evoluiu na taça e apresentou algo de defumado e de pimenta preta. Ótima experiência e que foi bem com a nossa massa.

27 de setembro de 2014

Dois ótimos espumantes: Adolfo Lona Brut Rosé / Aracuri Brut Chardonnay 2011

Nome: Adolfo Lona Brut Rosé / Aracuri Brut
Safra: - / 2011
País: Brasil
Região: Garibaldi / Campos de Cima da Serra
Produtor: Adolfo Lona / Aracuri Vinhos Finos
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay e Pinot Noir Chardonnay
Teor alcoólico: 12,7% / 11,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: - / Gentilmente nos presenteado pela vinícola
Quando foi comprado: -
Degustado em: 23 de maio de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa fresca feita em casa com molhos de tomate, pesto e gorgonzola
Com quem: Claudio, Rafaela, Mauro, Regina e Marcela

Comentário do Produtor
Adolfo Lona - O vinho branco que forma parte de aproximadamente 40% do total é proveniente exclusivamente da uva Chardonnay, que aporta à mistura sua elegância e frescor.O Pinot Noir, origem dos excelentes vinhos da Bourgogne francesa e em especial dos espumantes da Champagne, apesar das dificuldades que apresenta na elaboração de vinhos tintos no Brasil se adaptou muito bem ao solo e clima gaúchos e permite produzir vinhos brancos valentes e típicos, que cumprem o fantástico papel de andaime no sabor dos espumantes. Para tirar proveito de todas suas virtudes, o Brut Rosé Adolfo Lona dever ser servido a uma temperatura próxima dos 6ºC.
Aracuri - espumante elegante e refrescante de perlage fina e abundante. No aroma destacam-se as notas de damasco, raspas de limão e pão fresco. O paladar é envolvente e cremoso com acidez cativante.

Impressões da Rafaela
Este jantar foi o presente de Dia das Mães do Claudio para a mãe dele, Regina Helena. Preparamos massa fresca feita em casa com três molhos diferentes, tomate, pesto e gorgonzola. Como sabemos que a Marcela gosta muito de um espumante, separamos estes dois para acompanhar o jantar. Tratam-se de dois ótimos espumantes gaúchos, que gostamos muito e recomendamos àqueles que procuram produtos muito bem feitos.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Jantar em família com dois espumantes que gosto muito, feitos por amigos e já comentados aqui no blog. Adolfo Lona Brut Rosé é um dos espumantes que mais encontramos nos principais restaurantes do Rio. É um belo charmat, muito versátil, que pode acompanhar muito bem uma refeição, com ótima acidez e boa complexidade. Um bom trabalho do amigo Adolfo Lona. O Aracuri vem dos Campos de Cima da Serra, um charmat muito fácil de se beber e muito fresco. Leve, boa acidez, muito agradável em boca, ele é elegante e descomplicado. Belo trabalho da Paula Schenato. A noite foi agradável e as nossas massas caseiras estavam ótimas!

Mais um bom vinho dos Campos de Cima da Serra: Fazenda Santa Rita Sauvignon Blanc 2013

Nome: Fazenda Santa Rita
Safra: 2013
País: Brasil
Região: Muitos Capões, Campos de Cima da Serra
Produtor: Fazenda Santa Rita
Importador: -

Uvas/Corte: Sauvignon Blanc 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Na loja da vinícola em Vacaria, RS
Quando foi comprado: Janeiro de 2014
Degustado em: 21 de maio de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Comida Thai
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Apresenta Coloração amarelo palha e reflexos esverdeados. No aroma, predominam frutas cítricas, com notas de frutas tropicais como maracujá e goiaba. Possui acidez marcante, bom corpo e excelente frescor no final de boca. Harmoniza com carnes brancas, frutos do mar, saladas, massas e queijos leves.

Impressões da Rafaela
Achei que este vinho estava muito melhor agora do que quando o provamos em Vacaria. É muito gostoso, fácil de beber, fácil de gostar. Notas cítricas. Refrescante. Nesta semana, ficamos sabendo que a Paula e o Miguel agregaram à família mais um integrante: o Bono, cãozinho fofo. Fizemos um brinde ao Bono então.

Comentário do Claudio
Exame visual: Bem clarinho e transparente, leve reflexo dourado.
Exame olfativo: Um nariz surpreendente, bem aromático com notas que lembram maracujá.
Exame gustativo: Compramos este vinho na última vez que estivemos em Vacaria. Visitamos a loja da vinícola e resolvemos trazer uma garrafa deste Sauvignon Blanc. O Vinho me agradou muito. Elegante e delicado, mostrou boa acidez e claras notas cítricas que davam ao vinho um ótimo frescor. Estilo de vinho que gosto. As regiões mais altas e frias do Brasil estão mostrando bons resultados nesta direção. Notas de maçã verde aparecem no final de boca. Gostei e pretendo provar as novas safras para acompanhar a evolução da novata vinícola.

26 de setembro de 2014

Visita aos amigos em Campinas

Estivemos em Campinas, em maio passado, para rever nossos amigos queridos. Demos uma sorte muito grande e pudemos conhecer o Antonio, filho do Dani e da Tati, que nasceu no dia 10 de maio de 2014. Foi um fim de semana muito bom, com direito até a city tour por Campinas. Alexandre e Vanessa, os padrinhos muito bem escolhidos do Antonio, foram cedinho para o hospital. Logo depois, Anna e Emerson passaram para nos pegar. O programa do dia seria um passeio turísticos por Campinas, algo que eu já estava pedindo há anos. Já fomos várias vezes para Campinas, mas nunca passeamos por lá.
Emerson e Anna foram ótimos guias. Começamos o passeio tomando café no ótimo Maria Antonieta, para depois irmos ao belo Parque Taquaral, onde vimos a caravela que estava ainda em reformas. Mais tarde nos encontramos com Alexandre e Vanessa para almoçarmos no Bistrô Casa de Maria, onde bebemos o argentino Crios Rosé of Malbec 2013 e o espanhol Viña Collada by Marqués de Riscal 2010.
Na parte da tarde, fomos até a Unicamp, em Barão Geraldo, vimos de perto a Torre do Castelo (mas não ousamos pedir para parar), o Colégio Militar e passamos também pelo centro da cidade. Um dia não foi suficiente para fazermos tudo que queríamos. Ainda precisamos comer um pastel, tomar sorvete e beber um chopinho no Giovannetti.
Quando chegamos de volta à casa da Vanessa e do Alexandre já era quase noite. Ainda tinha muito mais por vir. Emerson fez pizzas. Para acompanhar, foram abertos o Chianti Colli Senesi Palagetto 2007, o Vallontano Chardonnay 2013, o Vega Saúco Crianza Piedras 2011, o Salton Volpi Sauvignon Blanc 2013 - não necessariamente nessa ordem.

Evento com vinhos de Portugal de tarde, encontro com amigos e vinhos da Nova Zelândia à noite

Nome: Spy Mountain / Ara Single Estate / Mission
Safra: 2011 / 2012 / 2012
País: Nova Zelândia
Região: Marlborough / Marlborough / Hawke's Bay
Produtor: Johnson Estate Winery / Ara Wines / Mission Vineyards
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir / Pinot Noir / Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 14% / 13% / 13%
Rolha: Rosca / Rosca / Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente trazido pelo Wagner
Quando foi comprado: -
Degustado em: 28 de maio de 2014
Onde bebeu: Em Copacabana e em casa
Harmonizado com: Pães, queijos e acepipes
Com quem: Claudio, Miguel, Ricardo, Carlinhos, Mario e Marcelo

Comentário do Produtor
A more classical expression of Marlborough but with the added complexity and texture that you can expect from Ara wines. Dark raspberry and boysenberry fruit flavours emerge from a soft and savoury wine rounded out with elegant but firm tannins.
This Cabernet of the Gimblett Gravels has good structure, fine tannins, with pure blackberry aromas. This blend with the Merlot is medium bodied and has fine savoury aromas on the palate. This palate is firm, with good texture and a soft finish. 

Comentário do Claudio
Em um mesmo dia, vinhos de países distantes. Aproveitando para colocar alguns posts atrasados em dia: no final de maio, fui convidado para mais uma feira de vinhos portugueses, que aconteceria no Rio, organizada pelo amigo Orestes de Andrade e sua assessoria, a Ponto Doc. A Vinhos de Portugal investe bastante na divulgação dos vinhos no Brasil. As feiras e os eventos aqui no Rio sempre são muito concorridos. Nesta feira, estavam representadas adegas cooperativas de cinco regiões diferentes de Portugal. Passei muito rapidamente pelo evento, provei poucos vinhos, mas vale destacar uma linha de tintos da Bairrada que gostei: Marquês de Marialva, três tintos bem interessantes da Adega de Cantanhede. Voltei correndo para casa, pois iria receber meus amigos de faculdade em mais um dos encontros mensais que fazemos. Desta vez, iríamos abrir os vinhos da Nova Zelândia que o Wagner, um dos amigos que atualmente mora por lá, nos trouxe. Gosto de provar os vinhos daquele país, vinhos com personalidade e bem diferentes. Abrimos dois Pinots, um mais leve e frutado, fácil, descomplicado e bem feito: o Spy Mountain. O segundo Pinot mostrou mais elegância e complexidade, com notas delicadas de frutas e leve defumado, bom vinho: Ara Single Estate. Por último, um ótimo Cabernet Sauvignon, de bom corpo, com notas de frutas escuras, sem exagero de madeira ou extração. Obrigado, Wagner, pelos vinhos!

25 de setembro de 2014

Les Amis, projeto francês trazido ao Brasil pela Expand e apresentado no Winebar

Nome: Les Amis Rosé Brut / Les Amis Bordeaux
Safra: - / 2010
País: França
Região: Brignoles / Bordeaux
Produtor: Les Vins Breban / Les Coteaux d'Albret
Importador: Expand

Uvas/Corte: -
Teor alcoólico: 11,5% / 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente nos enviado pelo Winebar
Quando foi comprado: -
Degustado em: 2 de setembro de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: -
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela
Este foi um dos Winebars que eu mais curti. Dani estava animado e o entrevistado era também bem divertido e interessante. Achei que poderia ter até durado um pouquinho mais de tão bom. Naquela noite, abrimos o espumante. Ficamos muito satisfeitos com o que provamos. Dias depois, abrimos o vinho de Bordeaux. Eu gostei, mas achei que se trata de um vinho simples, para beber de forma descompromissada. Talvez o preço pudesse ser um ajustado um pouco para baixo, pois, apesar de ser um vinho francês, ele não me pareceu um vinho tão elaborado para ter uma marcação tão alta.

Comentário do Claudio
Exame gustativo: Mais uma edição do Winebar, apresentação on-line de vinhos, sob o comando do amigo Daniel Perches. Desta vez com uma linha nova de vinhos franceses importados pela Expand. Com a participação de Otavio Piva, sócio da importadora, foram apresentados um espumante Brut da Provence e dois vinhos tintos, Um Borgonha e um Bordeaux. Les Amis é um projeto de 8 enólogos que fazem vinhos em várias regiões da França. Durante a transmissão degustamos o espumante, o qual achei interessante e bem peculiar. Feito da uva Grenache (acho que não havia provado espumante rosé feito com esta uva), tem um bela cor que lembra casca de cebola. Em boca, se mostrou bem elegante, de boa acidez e com leve cremosidade. Aparecem algumas notas de frutas, com certa complexidade, mas bem refrescante. Um espumante diferente e bem feito e com um preço correto. Vale provar.

18 de setembro de 2014

Interfood apresenta os vinhos de alta gama da chilena Santa Helena

Fomos convidados a participar do jantar de apresentação dos vinhos top da vinícola Santa Helena com a presença do jovem enólogo da vinícola, Matias Cruzat.

Impressões da Rafaela 
Já pensou em jantar no fundo do mar? Eu nunca tinha pensado até dias atrás, quando participamos da degustação do vinhos top da Santa Helena, vinícola chilena representada pela Interfood aqui no Brasil. O fundo do mar em questão (que não é exatamente dentro d'água, mas estando lá, você nem vai se lembrar deste pequeno detalhe) é o Restaurante Marius Crustáceos, um lugar incomum, localizado no Leme. Tão logo você adentra no salão, é tomado por uma indecisão cruel. Para onde olhar primeiro? Difícil se decidir, pois as informações são muitas. E quando digo muitas, pense em muitas, muitas mesmo! As paredes, assim como o teto, são "cravejadas" de tudo que se possa imaginar. Taças, pratos, garrafas, escafandros, pedaços de navios, entre tantas outras coisas que de início você fica torcendo para estarem bem presas. Eu mesma passei o jantar sob uma pesada e antiga mala de viagem... Nos primeiros dez minutos, é impossível não ficar escaneando o ambiente. Depois disso, porém, de forma perfeitamente orquestrada, a atenção do visitante é desviada para a outra parte do espetáculo: a comida. E, no nosso caso, especificamente, também os vinhos. Garçons muito bem treinados serviram diferentes opções de frutos do mar, mas não só isso, os carnívoros puderam provar cordeiro, bife ancho, kobe beef... Eu me deliciei com camarões, lagostins, lagostas e vieiras. Estava tudo ótimo. Para completar uma noite perfeita, havia os vinhos Santa Helena. Aqui no Brasil, a marca é muito conhecida, mas talvez mais por seus vinhos mais básicos. O propósito da noite foi justamente apresentar os vinhos top da vinícola. Eu fiquei muito bem impressionada. Provamos cinco vinhos excelentes e ainda pudemos tirar nossas dúvidas com o simpático enólogo Matias Cruzat. O meu preferido foi o D.O.N.  

Comentários do Claudio
Fomos convidados para o jantar de apresentação dos vinhos top da vinícola Santa Helena, que são importados pela Interfood. A apresentação dos vinhos ficou por conta do jovem e simpático enólogo chileno Matias Rivera. A vinícola Santa Helena é uma gigante do Vale do Colchagua, muito conhecida pelos vinhos de sua linha de entrada. Começamos a noite com um Sauvignon Blanc da linha Vernus. Um vinho perfeito para acompanhar os frutos do mar oferecidos no restaurante. Um vinho que apresentou notas vegetais misturado com algo de maracujá, ótima acidez, fresco. Um ótimo Sauvignon Blanc chileno, feito de uvas de vinhedos Costeiros  no Vale do Colchagua, região que sofre influência do Oceano Pacífico. Matias revelou que para a próxima safra a vinícola fez uma parceria com Pedro Parra e estão trabalhando o conceito de microterroirs, com estudos dos tipos de solo e assim colhendo e vinificando diversas parcelas em momentos distintos e fazendo um blend para o vinho final. Fiquei muito curioso para ver o resultado. Partimos para os tintos que acompanharam muito bem as carnes servidas. O primeiro vinho top que provamos foi o Parras Viejas, vinho muito bem feito, fácil de se gostar, com taninos redondos e macios, madeira bem integrada, corpo médio. Um Cabernet que vai agradar, bem equilibrado. O segundo tinto da noite foi o Notas de Guarda, um tinto feito com 85% de Carmenère cortado com Syrah, Petit Verdot e Malbec. Um vinho mais encorpado que o primeiro, com boa fruta, notas levemente adocicadas. Um Carmenère que não apresenta aquela a nota vegetal tão comum nos vinhos desta uva. Em boca, ele é muito sedoso e de bom volume. Tem potencial para envelhecer bem, um belo vinho. O último tinto que provamos foi o D.O.N., um corte de 80% de Cabernet Sauvignon com Petit Verdot e Syrah. Dos vinhos que provamos, este foi o mais encorpado, intenso e tânico dos três. Um vinho que tem, com toda certeza, muita vida pela frente. Um vinho intenso sem ser exagerado e sem dúvida um vinho muito prazeroso. Fico curioso para provar novamente este vinho com mais alguns anos de vida. Fiquei muito bem impressionado com os três tintos provados: vinhos que merecem ser provados. Para fechar a agradável e divertida noite ainda provamos um Late Harvest, o Vernus, corte de 85% de Riesling com um pouco de Semillon e Gewurztraminer, perfeito para acompanhar a sobremesa. Gostei muito de conhecer estes vinhos, foram boas surpresas.

22 de julho de 2014

Savigny-les-Beaune 2008 - Catherine et Claude Maréchal

Nome: Savigny-les-Beaune
Safra: 2008
País: França
Região: Borgonha
Produtor: Catherine et Claude Maréchal
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Aeroporto Charles de Gaulle, em Paris
Quando foi comprado: Agosto de 2013
Degustado em: 18 de maio de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pães, queijos e aceto
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Récolte manuelle en caisse pour éviter l’oxydation et à l’optimum de maturité, pour obtenir des vins riches et gras mais sans sucre résiduel. Pressurage des raisins entiers suivi d’un débourbage soigné (élimination des éléments indésirables tels les résidus terreux…). La fermentation commencera après quelques jours de latence grâce aux levures du raisin. Cette dernière s’effectuera sous température contrôlée afin d’éviter des pertes aromatiques. Lorsque la phase tumultueuse de fermentation est passée, nous écoulons le vin de la cuve en tonneaux. La fermentation s’achèvera et l’élevage se fera ainsi sur lie. Après une période comprise entre 9 et 12 mois, le vin est biologiquement terminé. Il s’en suivra un soutirage (élimination des lies) et nous le tirerons en bouteilles sans filtration si la turbidité est correcte.

Impressões da Rafaela
Fim de semana intenso. Muito estudo, compras pelo bairro, visita à nova delicatessen chamada Deli Delícia, pizza com os amigos no Bráz. Fechamos o domingo com este vinho francês na medida certa (uma meia garrafa). Vinho com personalidade e um amarguinho no final. Tinha um gostinho de "já tô meio cansado". Durante o jantar, nos lembramos do dia que passamos pela cidadezinha chamada Beaune. Deu vontade enorme de voltar à região com mais tempo.

Comentário do Claudio
Exame visual: Leve dourado, já com sinais de envelhecimento.
Exame olfativo: Bem interessante, uma mistura de notas doces com algo de toffe e leve mineral. Delicado e rico.
Exame gustativo: Este vinho já estava em seu limite para ser bebido. Tem bom corpo, boa complexidade de sabores, mas já não apresenta tanta vivacidade. Bom final, levemente licoroso e com notas claras de seu envelhecimento. Acredito que com dois anos a menos ele estaria no ponto correto. De qualquer forma, foi uma boa experiência.

20 de julho de 2014

Dádivas Merlot/Cabernet Sauvignon 2012

Nome: Dádivas
Safra: 2012
País: Brasil
Região: Encruzilhada do Sul
Produtor: Lidio Carraro

Uvas/Corte: Merlot  e Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 0679/8100
Preço: R$ 14,50, meia garrafa
Onde foi comprado: Cadeg
Quando foi comprado: 03 de maio de 2014
Degustado em: 03 de maio de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pães e queijos
Com quem: Claudio

Comentário do Produtor
Aroma de frutas maduras, como ameixa, morango, groselha e amora, evoluindo para notas de especiarias e um toque de chocolate e couro. Taninos maduros, bom frescor, equilibrado e complexo.
Um clássico para deleitar-se


Comentário do Claudio
Exame visual: Rubi.
Exame olfativo: Difícil definição, mas aparece leve fruta vermelha. 
Exame gustativo: Achei esta meia garrafa na Cadeg e como estava sozinho resolvi comprar para acompanhar o meu lanche. Já havia provado e gostado do Pinot Noir e do Chardonnay deste mesmo vinho. Este corte se mostrou também agradável, com notas de frutas maduras e algo de chocolate, taninos macios. Vale abrir a garrafa e deixar ele respirar um pouco antes de beber. Um vinho agradável, bem feito, se mostrou um bom vinho pelo seu custo. Não é tao marcante quanto os Dádivas das outras cepas, mas vai agradar.

17 de julho de 2014

Para comemorar: Taittinger, o champagne oficial da Copa

O Brasil ainda estava prestes a disputar a segunda partida da Copa do Mundo quando fomos convidados para conhecer a Casa Taittinger Rio de Janeiro, instalada em uma ampla e bonita residência na Gávea. Claudio foi um dos primeiros a chegar e pode trocar algumas palavras com o simpático Clovis Taittinger, diretor de exportação da Casa Taittinger, que veio ao Brasil para divulgar o champagne oficial da Copa.

O encontro foi bem internacional, pois além de Clovis, estava presente a Master of Wine e crítica finlandesa especializada em Champagnes Essi Avelan, que conduziu a apresentação dos incríveis Champagnes Taittinger.

Como bem falou o Clovis, Champagne é a bebida oficial dos grandes eventos. A Taittinger viu que a Copa no Brasil seria uma bela oportunidade de tornar a marca ainda mais forte mundialmente e mais presente no país, que tem o clima (festivo e de temperatura) perfeito para se beber um bom Champagne.
Neste encontro, um dos primeiros da Casa Taittinger Rio, reservado a um pequeno grupo de jornalistas e blogueiros, foram apresentados os quatro champagnes produzidos pela família Taittinger na região próxima à cidade de Reims, na França.
Fomos recepcionados, literalmente, em volta da piscina, com o Champagne oficial da Copa, uma tiragem com rótulo especial contendo efeitos de holografia com bolas de futebol. Este Champagne é o mesmo Brut Reserve que encontramos com o rótulo tradicional. Um excelente produto que pode ser comprado nas lojas aqui do Rio de Janeiro por cerca de R$ 200-250.
Na sequência, partimos para a apresentação do Clovis e da Essi. Neste momento, provamos os Champagnes guardados em garrafas Magnum. Esta foi uma dica valiosa da crítica finlandesa: todos os Champagnes em garrafas de 1,5 litros ganham em complexidade e envelhecem melhor. Ao provar o Brut Reserve, que é feito a partir de um blend de cerca de 35 vinhos-base diferentes, vindos de vinhedos diferentes (os enólogos demoram cerca de três meses no processo de decisão do blend perfeito), pudemos comprovar isto. A grande complexidade dos Champagnes em geral vem exatamente deste blend aliada a um bom envelhecimento nas garrafas. O Brut Reserve é feito com um corte de cerca de 40% de Chardonnay e o restante de Pinot Noir e Pinot Meunier.
Provamos ainda mais três opções incríveis. 
O Taittinger Prestige Rosé, de bela cor e paladar complexo e envolvente, boa acidez, vivo e elegante. Um belo rosé. 
Partimos então para provar dois safrados. Primeiro o Taittinger Comtes de Champagne Blanc de Blancs 2005, feito somente de Chardonnay e em safras especiais. Champagne incrível, de muita complexidade, boa estrutura, muito cremoso em boca e uma elegância única arredondando todo o conjunto. Excelente acidez e notas minerais o deixam ainda mais rico. Com nove anos de vida, está perfeito para se beber agora, mas também tem potencial para envelhecer. Realmente marcante. Foi o meu preferido. 
Por último, o Taittinger Comtes de Champagne Rosé 2005, feito com 70% de Pinot Noir, que apresenta todas as qualidades do Blanc de Blancs, mas com um aporte maior de corpo e notas frutadas em boca. Achei que este ainda poderia crescer mais na garrafa, com um potencial de guarda maior. Outra belíssima bebida. Dois espumantes que te deixam com aquela vontade de provar novamente.
Foi uma manhã/tarde muito agradável, pela simpatia dos nossos anfitriões e pela bela organização do espaço e do evento. Realmente um gol de placa da Taittinger. 
A Copa do Mundo terminou, mas tenho certeza que você vai encontrar motivos para celebrar e beber belos Champagnes como estes feitos pela Taittanger.

15 de julho de 2014

Aracuri - Merlot 2009


Nome: Aracuri
Safra: 2009
País: Brasil
Região: Campos de Cima da Serra
Produtor: Aracuri Vinhos

Uvas/Corte: Merlot 100%
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: Gentilmente oferecido pela vinícola
Degustado em: 25 de abril de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pizza caseira
Com quem: Claudio

Comentário do Produtor
Perfil Sensorial: aromas complexos e elegantes, destacando-se frutas vermelhas maduras, com notas de chocolate, que se repetem no paladar. Vinho estruturado com taninos macios e acidez equilibrada.

Comentário do Claudio
Exame gustativo: Mais um vinho provado da jovem Vinícola Aracuri, oriundo da também jovem (na produção de vinhos) região dos Campos de Cima da Serra. Sempre estamos provando os lançamentos dessa região. Trata-se da terra natal da Rafaela, por isso nosso interesse especial. Aracuri é uma das vinícolas que está mostrando um trabalho consistente. Todos os vinhos que já provamos mostram um perfil bem definido e interessante: vinhos elegantes, sem álcool em excesso, sem muita concentração, agradáveis, fáceis de beber, boa companhia para comida e bom preço. Este merlot se encaixou dentro desse perfil. Vinho de corpo médio e boas características da cepa. Um bom vinho. Vale provar os vinhos da Aracuri.

8 de julho de 2014

Achaval Ferrer Malbec 2011, um vinho que merece ser provado

Nome: Achaval Ferrer
Safra: 2011
País: Argentina
Região: Pedriel
Produtor: Achaval Ferrer

Uvas/Corte: Malbec 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: Gentilmente oferecido pelo Mauro
Degustado em: 27 de abril de 2014
Onde bebeu: Casa da Marcela e do Mauro
Harmonizado com: Risoto com filé
Com quem: Claudio, Marcela, Mauro e Regina Helena

Comentário do Produtor
Intense, pure, full colours and young aromas. This wine completes our vision of Malbec. We wish
to honour the insignia variety of Mendoza. We want to emphasize all the characteristics of this unique cepage. Our work in the vineyards reinforces leaf system over root system, and emphasizes the soul of the fruit. Our objective is to preserve the vertebral column of variety as the first step of a trilogy that continues in ascending stairs with Quimera – a design wine - and Finca Altamira, Finca Bella Vista and Finca Mirador, through which we showcase the expression of terroir. The wine was aged during 9 months in French Oak barrels. We took special care to preserve the necessary balance between wood and fruit without losing its spontaneity.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: A Achaval Ferrer é uma vinícola de que gosto bastante, pois produz vinhos muito consistente e que alta qualidade. O vinho mais "básico" deles é exatamente este malbec. Já tinha provado este vinho em outras oportunidades, sempre gostei dele, mas não me chamava tanto a atenção. Nas duas últimas safras, incluindo este 2011, a coisa mudou de figura. Achei que houve um grande salto de qualidade, conseguiram equilibrar muito bem a potência típica de alguns malbecs argentinos com uma elegância muito interessante. O resultado é um vinho envolvente, com notas de frutas maduras, sem exageros, com boa acidez e final agradável. Vinho muito bom, com um estilo marcante e interessante, um vinho que merece ser provado agora ou que ainda se pode esperar mais uns dois anos na garrafa, pois deverá crescer.

7 de julho de 2014

Depois do Encontro de Vinhos Off, Mendel Unus com pizza

Nome: Mendel Unus
Safra: -
País: Argentina
Região: Mendoza
Produtor: Mendel Wines
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon e Malbec
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pelo amigo Déco Rossi
Quando foi comprado: -
Degustado em: 21 de abril de 2014
Onde bebeu: Em São Paulo
Harmonizado com: - 
Com quem: Claudio, Déco e Julie

Comentário do Claudio
Exame gustativo: O Encontro de Vinhos Off já entrou para o roteiro de eventos pré-Expovinis em São Paulo. Fui nas primeiras edições desta feira, organizada pelos amigos e blogueiros Beto Duarte e Daniel Perches, e acompanhei seu crescimento. O Encontro acontece sempre na véspera da abertura da Expovinis e é um lugar perfeito para rever os amigos e encontrar novidades de produtores e importadores. Neste ano, a Wines of Argentina participou da feira e, durante o evento, o Deco Rossi deu uma palestra muito interessante sobre os diversos terroirs encontrados na Argentina. Participei da palestra, na qual foram servidos diversos vinhos, um painel muito interessante e didático. Como sobrou uma garrafa aberta de Mendel Unus, o levamos para casa e acompanhou uma pizza para fechar a noite. Este vinho é um corte de Cabernet Sauvignon com Malbec, vinho de muita estrutura, bom corpo, muito bem feito, um vinhaço. Como abrimos este vinho no meio da tarde e só fomos bebê-lo à noite, acabou respirando bastante, o que, para o meu paladar, deixou o vinho muito mais interessante, sem aquela potência toda. É um vinho que merece ser guardado por alguns anos ou ser decantado por um bom tempo antes de ser bebido. Vale provar.

6 de julho de 2014

Um belo Cabernet Franc argentino com 13 anos de vida

Nome: Marcus Gran Reserva
Safra: 2001
País: Argentina
Região: Rio Negro, Patagônia
Produtor: Humberto Canale
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Franc 100%
Teor alcoólico: 14,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente oferecido pelo amigo Déco Rossi
Quando foi comprado: -
Degustado em: 20 de abril de 2014
Onde bebeu: Em São Paulo
Harmonizado com: - 
Com quem: Claudio e Déco

Comentário do Claudio
Exame gustativo: Em abril estive em São Paulo para o Encontro de Vinhos Off e para a Expovinis. Cheguei no domingo e fui muito bem recepcionado pelo amigo e blogueiro Déco Rossi. Cheguei a São Paulo para o almoço. Era domingo de Páscoa. Déco achou que os restaurantes poderiam estar cheios e seguimos para o Clube Harmonia, onde poderíamos abrir um vinho sem problema. Sou fã da uva Cabernet Franc, e o Déco, que é o representante da Wines of Argentina no Brasil, também gosta muito. Sempre que viaja à Argentina, procura descobrir os vinhos de Cabernet Franc feitos por lá. Gentilmente, ele resolveu abrir uma garrafa argentina já com 13 anos de vida, um Cabernet Franc da Patagônia. O vinho estava muito interessante, já amadurecido, mas vivo, com boa acidez, taninos bem arredondados, notas claras que mostram o efeito do tempo sem aquela intensidade dos vinhos argentinos.Na minha opinião, no ponto certo para se beber. Boa experiência. Obrigado, Déco, pela recepção.

1 de julho de 2014

Hex Von Wein Moscato 2012

Nome: Hex Von Wein
Safra: 202
País: Brasil
Região: Picada Café
Produtor: Vinícola Hex Von Wein
Importador: -

Uvas/Corte: Moscato
Teor alcoólico: 
Rolha: Tampa de rosca
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente nos enviado pela representante do vinho no Rio, Amora Verde
Quando foi comprado: -
Degustado em: 18 de abrilde 2014
Onde bebeu: Em casa, no Rio de Janeiro
Harmonizado com:
Com quem: Claudio

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: Início mais intenso com algo de frutas tropicais depois de um tempo ele se apaga um pouco.
Exame gustativo: Já estava com esta garrafinha de 187 ml deste vinho branco há algum tempo comigo. Como a Rafaela estava viajando, decidi abrir e provar este Moscato da Hex Von Wein. Quem acompanha aqui o blog sabe que gosto muito do Cabernet Sauvignon que eles fazem. Produção orgânica, uma vinícola de garagem que faz um Cabernet de respeito. Em boca o vinho mostrou certa untuosidade, uma boa acidez, notas levemente picantes e algo mineral também. Um vinho correto e foi uma boa surpresa.

26 de junho de 2014

Pietro Marini Malbec 2008, o vinho que a Rafaela ganhou do Gil para abrir quando quisesse

Nome: Pietro Marini
Safra: 2008
País: Argentina
Região: Valle de Cafayate, Salta
Produtor: Bodega el Transito
Importador: Porto Mediterrâneo

Uvas/Corte: Malbec
Teor alcoólico: 14%
Rolha: Sintética
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente presenteado à Rafaela pelo Gil
Quando foi comprado: -
Degustado em: 10 de abril de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Pizzas caseiras
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Brillante y de color intenso desarrolla tonos violáceos que anticipan su expresión en nariz, donde presenta aromas a frutos rojos, con recuerdos de ciruelas secas y algunas notas especiadas que recuerdan el clavo de olor. Como varietal expresa exquisitamente la riqueza que le aporta la altura, presentando en boca taninos dulces y redondos. Armónico y equilibrado se prolonga y persiste en boca, gracias a una equilibrada acidez.

Impressões da Rafaela
Ganhei este vinho do Gil na última vez em que estive em Uberlândia. De tanto me ouvir reclamar que eu tinha que "pedir permissão" ao Claudio para abrir um vinho quando estava sozinha em casa, Gil me disse que eu teria então meu próprio vinho, para abrir quando eu bem entendesse. Aconteceu, no final das contas, de eu abri-lo junto com o Claudio, o que, segundo o Gil, me dava então o direito de abrir um outro vinho - no caso, qualquer um de nossa adega. Vamos ver se isso vai dar certo algum dia. A verdade é que eu não gosto de beber vinho quando estou sozinha. Vinho para mim é uma bebida para ser compartilhada, para ser bebida com amigos, acompanhando uma boa conversa. Este vinho foi bem com nossas pizzas caseiras, feitas com farinha 00, molho de tomates feito em casa e mussarela de búfala de boa qualidade. Obrigada, Gil!

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Este malbec da região de Salta na Argentina foi um presente do amigo Gil para a Rafaela. O vinho ficou guardado na adega por algum tempo. Pareceu-me que deveríamos tê-lo aberto antes, pois tinha características de um vinho jovem, para ser bebido com um ou dois anos de vida. Em boca, mostrou uma boa fruta, misturado com algo de especiarias e um pouco de pimenta. Paladar interessante, que deveria estar muito melhor dois ou três anos atrás. Funcionou bem com a pizza. Não conhecia esta vinícola, sobre a qual o Gil sempre falou bem, e fiquei com vontade de provar outros vinhos de lá.

Aurora Reserva - Cabernet Sauvignon 2011

Nome: Aurora Reserva
Safra: 2011
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Vinícola Aurora

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: 051768
Preço: -
Onde foi comprado: Ganhamos este vinho no kit da Wine Run
Quando foi comprado: -
Degustado em: 7 de abril de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Massa caseira com molho de tomate
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Aromas de chocolate e baunilha, com um ligeiro frutado. Típico Cabernet Sauvignon, harmonizará principalmente com pratos com carnes vermelhas. Picanha grelhada, costela de cordeiro, quibe cru, sanduíches de rosbife e filé mignon. Acompanha também strogonoff de frango e queijos como o Gruyère.

Impressões da Rafaela
Vinho gostoso, simples, fácil de gostar. Deve ser bom para acompanhar jantares animados e descompromissados. Fiz massa em casa, com molho de tomate errado, mas gostoso. Comemos felizes de qualquer modo. Recebemos este vinho no kit da Wine Run, corrida que fizemos dias atrás com os amigos blogueiros Gil e Érika, do Vinho para Todos.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Acho que nunca tinha provado este vinho. Ganhamos esta garrafa na inscrição da Wine Run. Quando chegamos em casa de volta de Bento Gonçalves, resolvemos abrir este Cabernet para acompanhar a nossa massa. Confesso que esperava menos. É um vinho simples, fácil de beber, descomplicado. Um vinho básico, mas correto, que não faz feio. Não sei o preço dele no mercado, mas pode ser uma opção para quem procura um vinho simples para o dia a dia.

25 de junho de 2014

Encontro com um blogueiro chileno na Confraria Carioca

Uma das boas coisas proporcionadas pelo nosso blog é a oportunidade de conhecer novas pessoas.
No final de março, recebi uma mensagem do Guilherme, amigo blogueiro de Brasília, autor do Um papo sobre Vinho. Ele me falava sobre um blogueiro chileno que estava no Rio com umas garrafas de vinho para abrir com alguém. Assim, acabei conhecendo e bebendo alguns vinhos com Max Morales, chileno de Santiago, dono da loja de vinhos Andes Wine na capital chilena e autor do site de mesmo nome.
Marcamos o encontro na Confraria Carioca, loja em Botafogo do amigo Duda Zagari, que também provou os vinhos conosco. Além dos dois vinhos trazidos pelo Max, Duda resolveu abrir mais alguns vendidos na Confraria para o Max provar.
Durante a conversa, provamos os seguintes vinhos: o Oda Veranda Syrah 2008, um vinho muito interessante da região de Colchagua, e o Calyptra Assemblage Gran Reserva, que o Max julgou não estar bom para ser bebido. Na sequência  dois ótimos espumantes nacionais: o Cave Geisse Blanc de Blanc e o Maximo Boschi Speciale 2008. O Duda, que é um cara sempre empolgado, ainda abriu mais dois tintos, o brasileiro Maximo Boschi Merlot 2004 e o interessante Barbaresco Piero Busso Mondino 2008.
O resultado foi uma noite divertida com o vinho proporcionando bons encontros.

24 de junho de 2014

Premiação pós-corrida: Identidade Premium Gewürtztraminer e Mundvs Malbec

Nome: Identidade Premium / Mundvs
Safra: 2013 / 2011
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Casa Valduga

Uvas/Corte: Gewürtztraminer Malbec
Teor alcoólico: 13% / 14,2%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Restaurante Maria Valduga, no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Quando foi comprado: 5 de abril de 2014
Degustado em: 5 de abril de 2014
Onde bebeu: Restaurante Maria Valduga, no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves
Harmonizado com: Rodízio italiano
Com quem: Claudio, Rafaela, Gil e Érika

Comentário do Produtor
Identidade - Ideal para tardes de verão, possui coloração amarelo-palha e complexidade aromática com notas de maçã verde, pera, lichia e licor de laranja. Em boca é expressivo, fresco com final persistente e agradável.
Mundvs - Aos pés da Cordilheira dos Andes, em Mendoza, a mais de 980 metros de altitude, surge Mundvs Malbec. Vinho de grande personalidade, com aromas de frutas vermelhas maduras ressaltadas por nuances de baunilha. Visão: Vermelho-rubi escuro, límpido e brilhante. Olfato: Bouquet elegante e intensas notas de frutos vermelhos com destaque para ameixas, amoras e especiarias, ressaltadas por nuances de baunilha. Paladar: Corpo robusto, encorpado, equilibrado e harmônico, com taninos maduros.

Impressões da Rafaela
Depois de uma tarde de descanso, à noite eu estava recuperada do esforço empreendido no começo do dia. Pronta para apreciar o jantar de gala na Casa Valduga. Apesar de o cardápio ser parecido com outros servidos na região, o rodízio italiano da Valduga tem um quê de refinamento. O tempero é mais suave, o local é silencioso, os garçons são nada invasivos. Nós gostamos muito. Para acompanhar o jantar, nossa sommelière Érika escolheu os vinhos. Gostei especialmente do segundo, o Mundvs.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Ainda estávamos nos recuperando da Wine Run que corremos pela manhã  e já era hora de nosso jantar de comemoração. Sempre que passamos pelo Vale dos Vinhedos damos um pulo na Casa Valduga para comer no restaurante da vinícola. A organização da prova também sugeriu na programação o jantar, um típico rodízio italiano, com galetos, massas e outras delícias. Bebemos dois vinhos durante o jantar. Abrimos com o um aromático Gewurztraminer, vinho muito marcante no nariz e em boca se mostrou fresco e agradável, a garrafa foi rápido. Depois o Gil sugeriu um dos vinhos da linha Mundvs, vinho que a Casa Valduga faz em parceria com outras vinícolas em diversos países. O escolhido foi o Malbec, vinho de perfil bem típico da cepa e com as clássicas característica dos bons malbecs argentinos. Um ótimo jantar para fechar um dia muito intenso no Vale dos Vinhedos.

23 de junho de 2014

Angheben Brut para comemorar a medalha na Wine Run 2014

Nome: Angheben Brut
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Vinícola Angheben

Uvas/Corte: Pinot Noir e Chardonnay
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Restaurante Canta Maria, em Bento Gonçalves
Quando foi comprado: -
Degustado em: 5 de abril de 2014
Onde bebeu: Restaurante Canta Maria, em Bento Gonçalves
Harmonizado com: Galetinho e polenta
Com quem: Claudio, Rafaela, Gil e Érika

Comentário do Produtor
Com aparência brilhante apresenta-se levemente na coloração dourada. Seu aroma intenso remete a frutas brancas e notas amanteigadas. Com grande volume, o paladar mostra-se equilibrado, com boa persistência final e cremosidade em boca.

Impressões da Rafaela
Chegamos a Bento Gonçalves na sexta-feira à noite e logo nos encontramos com o Gil e a Érika, que também estavam na cidade para participar da Wine Run 2014. Na noite anterior à prova, fomos comer um xis em frente ao hotel, como esperado há meses. Sábado acordamos cedinho e partimos para a prova. Tudo ocorreu de forma muito organizada. Érika e eu fomos com a primeira turma. Como era uma prova de revesamento, Claudio e Gil seguiriam um pouco mais tarde. Apesar de eu não estar treinada como deveria, gostei do meu desempenho. Confesso que nem sabia se conseguiria completar a prova, mas deu certo! Quer dizer, depois da corrida me deu uma dor de cabeça horrível. Eu acabei tomando apenas uma sopinha no Canta Maria, enquanto Claudio, Gil e Érika comiam um galetinho. Também não provei o espumante, mas depois de uma bela tarde de sono estava pronta para nosso jantar de gala na Valduga.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Combinamos com os amigos Gil e Érika do blog Vinho para Todos de participarmos da Wine Run 2014, corrida disputada no Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves. A corrida foi disputada em diferentes terrenos, com muitas subidas e descidas, em um cenário muito bonito entre os vinhedos e as vinícolas. Corrida muito bem organizada. Mesmo cansados, depois da corrida partimos para um almoço no Canta Maria para comer um galetinho e repor as energias. Para acompanhar, escolhemos este ótimo espumante dos Angheben. Já provei em duas outras oportunidades e mais uma vez ele mostrou toda a sua qualidade. Um espumante bem seco, de boa acidez, gastronômico, muito bem feito!

11 de junho de 2014

Vinho com bom preço atrai muito mais consumidores: Viapiana na Pizzaria Eccelenza

Nome: Viapiana Corte V
Safra: -
País: Brasil
Região: Altos Montes, Flores da Cunha
Produtor: Vinhos Viapiana
Importador: -

Uvas/Corte: Cabernet Sauvignon e merlot
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 9,50 (taça)
Onde foi comprado: Pizzaria Eccelenza, em Botafogo, Rio
Quando foi comprado: 3 de abril de 2014
Degustado em: 3 de abril de 2014
Onde Bebeu: Pizzaria Eccelenza, em Botafogo, Rio
Harmonizado com: Pizza marguerita
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Coloração vermelho-rubi. Aroma com boa intensidade e notas agradáveis de frutas vermelhas como ameixa, sem presença de madeira. Em boca, se apresenta leve com média estrutura, taninos jovens, macio e equilibrado.

Impressões da Rafaela
Fomos comer uma pizza em uma restaurante aqui da vizinhança e ficamos impressionados com uma cena: várias pessoas bebiam vinhos - e invariavelmente era este Viapiana. Quando abrimos o cardápio, entendemos. O vinho tinha um preço realmente convidativo, pouco mais de R$ 30 a garrafa e menos de R$ 10 a taça. Nós mesmos acabamos pedindo duas taças. Como iríamos viajar na manhã seguinte, resolvemos não exagerar. Vinho simples, mas muito bem feito. Ficamos bem felizes com a ideia da vinícola e do restaurante, pois acabam incentivando o consumo.

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: 
Exame gustativo: Este post é para registrar que quando uma vinícola trabalha bem uma parceria, o vinho nacional vende e é bem aceito pelos consumidores. Foi esta experiência que presenciamos na pizzaria Eccelenza, em Botafogo, aqui no Rio. Logo que chegamos ao restaurante, percebemos que em várias mesas havia uma garrafa de vinho aberta. Observando um pouco mais, percebemos que eram vinhos da Vinícola Viapiana. Bom preço, equipe treinada, boa divulgação, tudo isto nos mostra que com um trabalho bem feito o vinho brasileiro pode aparecer cada vez mais nas mesas dos restaurantes. O Corte V é um vinho bem feito, fácil de se beber, um bom parceiro para as pizzas.

Rippon Vineyard & Winery da Nova Zelândia apresenta seus vinhos no Esplanada Grill

No dia 28 de março, a convite do amigo e dono da Confraria Carioca, ótima loja de vinhos no Rio, Duda Zagari, participei do almoço de apresentação dos vinhos da vinícola neo-zelandesa Rippon no restaurante Esplanada Grill, em Ipanema, com a presença do produtor, Nick Mills. 

Comentário do Claudio
Em uma bela tarde de sol, tive a oportunidade de conhecer os vinhos da vinícola Rippon da Nova Zelândia. Durante um descontraído almoço no Esplanada Grill, provei 5 diferentes vinhos: um branco da uva Gewurztraminer e uma sequência com 4 ótimos Pinot Noir. Fiquei muito bem impressionado com os vinhos, marcantes, de muita personalidade e elegantes. A Pinot Noir é uma uva que se adaptou muito bem na Nova Zelândia. Olhando as fotos do site da vinícola, dá para ver o belíssimo cenário de onde saem estas uvas. Como cheguei um pouco atrasado ao almoço, não consegui provar o Riesling, que, pelos comentários de todos, estava excelente. Primeiro vinho provado foi um Gewurztraminer de muita expressão e personalidade, com um final bem acentuado com especiarias e leve doçura. Vinho muito bem feito. Na sequência, provamos o primeiro Pinot do almoço, o Jeneusse 2008. O Pinot de "entrada" da vinícola, perfil jovem, bem fresco, acidez viva e direto. Um bom Pinot, descomplicado. Depois passamos para o Rippon Mature 2008, que apresentou um pouco mais de complexidade, boa acidez e taninos bem marcados, 14% de álcool e notas de madeira aparecendo. Partimos para os dois últimos vinhos do almoço e exatamente os dois que mais marcaram: Emma's Block 2009 e o Tinker's Field 2009. Dois grandes Pinots, em comum a boa estrutura e a perfeita mistura entre potência e elegância. Dois vinhos envolventes, de excelente qualidade e marcantes que mostram todo o potencial que a Pinot pode apresentar na Nova Zelândia. A mesa ficou dividida entre os que preferiram o Emma's e os que gostaram mais do Tinker's. Fiquei com o Emma's, que me pareceu mais elegante, enquanto o outro estava um pouco fechado ainda, mostrando grande potencial. Belos vinhos de uma linda vinícola.

5 de junho de 2014

Chateau Timberlay - Bordeaux Superieur 2010

Nome: Chateau Timberlay
Safra: 2010
País: França
Região: Bordeaux
Produtor: Robert Giraud, Domaine de Loiseau
Importador: Symposium Vinhos

Uvas/Corte: Merlot e Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Presenteado ao Claudio pelo Carlinhos
Onde foi comprado: Symposium Vinhos
Quando foi comprado: Novembro de 2013
Degustado em: 29 de março de 2014
Onde bebeu: Na varanda de casa
Harmonizado com: Penne feito na hora, vendido no Supermercado Farinha Pura
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
The grapes (half Cabernet Sauvignon and half Merlot) are hand picked in several waves. They are traditionally fermented in heat-regulated cement vats. The wine stays on the skins for around three weeks. Ageing takes place in oak barrels, two thirds new and. one third a year old. This excellent wine has a deep color and a fine, elegant nose with ripe fruit aromas. The bouquet is slightly toasty. It has a hint of spice and a touch of vanilla. Rich, full-bodied, with well balanced soft tannin, it has a generous finish with extremely well-integrated oak.

Impressões da Rafaela
Este dia foi um animado dia com a família do Claudio. A pequena Antônia, filha da Paula e do Guilherme, foi batizada com a presença de tios, primos, avós. Ela é uma pequena adorável, fofinha como a mãe. Depois do batismo em uma capelinha escondida entre prédios e casas na Gávea, seguimos para o Empório Pax, no Jockey Club. Depois de um almoço delicioso, assistimos até a uma corrida de cavalos. Para fechar um dia bem agradável, fizemos uma massa acompanhada por um vinhozinho francês.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: Fruta vermelha com leve nota de álcool em seu começo
Exame gustativo: Ganhei este vinho do Carlinhos no meu aniversário. Como não tinha nenhuma referência sobre ele, resolvemos abrir para provar. Um típico e agradável Bordeaux básico, vinho bem feito e fácil de se beber. Notas claras de frutas vermelhas em boca, taninos vivos e ficou melhor com uma temperatura um pouquinho mais baixa. Final um pouco curto onde também apareciam as frutas. Um bom vinho, despretencioso, mas que vai ser um vbom companheiro para um prato mais simples.

Sushi com espumante, combinação que sempre dá certo

Nome: Casa Valduga Reserva Blush
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Casa Valduga
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir e Chardonnay
Teor alcoólico: -
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: R$ 31
Onde foi comprado: Cadeg
Quando foi comprado: Setembro de 2013
Degustado em: 1º de abril de 2014
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Sushi
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Rosado claro e cristalino, perlage fino e constante. Aroma frutado lembrando frutas secas, brioche e um leve amanteigado. Elegante no paladar, com agradável frescor e cremosidade em boca.

Impressões da Rafaela
Seis meses depois do meu aniversário, chegamos à última garrada deste Casa Valduga Blush. Compramos uma dúzia para minha festa, mas acabou sobrando várias garrafas, o que nem foi tão mau assim. Como sempre fazemos quando queremos comer sushi, demos um pulinho ali no Matsuda, pedimos nossos sushis favoritos ao Inácio e voltamos para casa felizes com nossa encomenda. Chegando aqui, escolhemos este espumante que sempre agrada. Foi um jantarzinho perfeito.

Comentário do Claudio
Rótulo: -
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Nossa última garrafa de Blush foi perfeita para acompanhar nossos sushis. Nos últimos meses bebemos algumas garrafas do ótimo espumante rosé da Casa Valduga. Quem não conhece o Blush deve provar: um espumante muito bem feito, versátil e com um bom preço. E ainda vai bem com sushis.

3 de junho de 2014

Winebar Salton: Reserve Ouro, Intenso e Talento #winebar

Nome: Salton Reserve Ouro / Salton Intenso / Salton Talento
Safra: - / 2010 / 2009
País: Brasil
Região: Serra Gaúcha
Produtor: Vinícola Salton

Uvas/Corte: 70% Chardonnay, 20% Pinot Noir e 10% Riesling / Merlot / Cabernet Sauvignon, Merlot e Tannat
Teor alcoólico: 12,5% / 13,5% / 13,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Gentilmente nos enviado pela Salton para participação no Winebar
Quando foi comprado: -
Degustado em: Final de março de 2014
Onde bebeu: Em casa
Harmonizado com: Diferentes pratos
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Salton Reserve Ouro - Cor amarelo claro com grande quantidade de finas borbulhas com formação de espuma persistente. Aromas de pão torrado, fermento, nozes, amêndoas, flores e frutas cítricas. Na boca apresenta excelente acidez com grande cremosidade.
Salton Intenso - Cor roxo intenso com aromas maduros de ameixas e uvas passas, pimentão doce, caramelo, café, amora, tabaco, chocolate, carvalho e especiarias. Seu sabor é macio, aveludado e saboroso.
Salton Talento - Límpido com coloração roxo intenso, com aromas de frutas vermelhas, compotas de frutas, cogumelos, chocolate, cânfora e flores de acácia. Seu sabor é intenso com taninos macios que conferem boa estrutura.

Impressões da Rafaela
Tivemos a oportunidade de provar três vinhos da Salton durante o Winebar realizado no final de março. O Salton Talento já é nosso velho conhecido e gostamos muito. Tanto o espumante quanto o Salton Intenso foram duas boas surpresas.

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Colocando os nossos posts em dia: no final de março, participamos de mais um Winebar, degustação on-line projeto dos amigos Alexandre Frias e Daniel Perches. Recebemos três garrafas para degustação. Um espumante feito pelo método Charmat, o Reserva Ouro, de novo rótulo, mais bonito, que valorizou a garrafa. Espumante leve, agradável, boa acidez, leves notas doces em seu final. Não é complexo, fácil de beber, a garrafa vai rápido. Provamos também mais um vinho da linha Intenso. Esta linha é um belo trabalho da Salton, um vinho muito bem feito, de boa qualidade e que é vendido por cerca de R$ 21 aqui no Rio. Já indiquei este vinho para mais de uma pessoa, belo preço para um bom e surpreendente vinho. Por último, provamos mais uma vez o Talento, que está completando 10 anos. Sempre consistente, bom corpo, boa fruta em boca. Sempre um bom vinho. Muito interessante ver a política de preços da vinícola e a qualidade dos produtos.

130 Brut - Casa Valduga

Nome: 130
Safra: -
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Produtor: Casa Valduga
Importador: -

Uvas/Corte: Pinot Noir e Chardonnay
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: Gentilmente nos presenteado pelo vinícola
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: -
Degustado em: 15 de março de 2014
Onde bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Tortéi feito em casa com molho vermelho com frango
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
Visão: Límpido e brilhante, de coloração dourada e fascinante perlage. Olfato: Bouquet elegante e intenso de frutas secas, amêndoas e um leve tostado. Paladar: Persistente e cremoso, de amplo e pleno sabor, harmônico.

Impressões da Rafaela
Ganhamos este espumante em nossa viagem ao Vale dos Vinhedos - graças à Érika Mesquita! Estávamos almoçando na Casa Valduga quando fomos abordados por simpáticos funcionários do marketing da vinícola, que gostariam de nos entregar um presente. Este realmente é um dos meus espumantes favoritos! Harmonizamos o 130 com uma receita que estávamos há tempos para fazer: tortéi. Agora que temos uma máquina para fazer massas, ficou tudo mais fácil. Ainda precisa de uns retoques, mas ficou muito bom para uma primeira vez. Repetiremos!

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Escolhemos o 130, espumante da Casa Valduga que gostamos bastante, para acompanhar uma receita que estávamos testando pela primeira vez. Já provamos e comentamos o 130 aqui diversas vezes. É um espumante que mantém um bom nível sempre, muito constante e muito bem feito. Quem nunca provou, vale conhecer. Funcionou bem com nosso tortéi, que ainda vai precisar de alguns ajustes, mas chegaremos lá.

2 de junho de 2014

Um belo jantar no Bazzar na companhia de Adolfo Lona e Alain Inglês

Nome: Orus / LAM / Castoro Cellars
Safra: 2012 / 2011 / 1998
País: Brasil / Africa do Sul / Estados Unidos
Região: -
Produtor: -
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay, Pinot Noir e Merlot / Pinotage / Cabernet Sauvignon
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Restaurante Bazzar, em Ipanema, Rio de Janeiro
Quando foi comprado: -
Degustado em: 14 de março de 2014
Onde bebeu: Restaurante Bazzar, em Ipanema, Rio de Janeiro
Harmonizado com: Ótimos pratos do restaurante
Com quem: Claudio, Adolfo Lona e Alain Inglês

Comentário do Produtor
-

Comentário do Claudio
Exame visual: -
Exame olfativo: -
Exame gustativo: Sempre que o mestre Adolfo Lona vem ao Rio, ele avisa a mim e ao amigo Alain que está trazendo na bagagem garrafas do espumante Orus para bebermos juntos. Sempre conseguimos marcar um jantar para colocarmos a conversa em dia e beber bons vinhos. Desta vez não foi diferente. Adolfo Lona veio participar do Encontro de Vinhos e aproveitamos a oportunidade para marcar um jantar no ótimo restaurante Bazzar em Ipanema. Como de costume, levamos alguns vinhos. Primeiro degustamos o excelente Orus, espumante mais do que especial, que o Adolfo Lona produz cerca de 800 garrafas por safra. Já comentamos aqui no blog, é um dos melhores espumantes nacionais: grande complexidade, boa estrutura e acidez, potencial de envelhecimento. Realmente é um espumante único, que merece ser provado. Depois do Orus, partimos para um vinho natural sul-africano que havia ganhado do Daniel Perches. Sabia que era um vinho diferente e que faria sucesso com o Alain e o Lona. Realmente um vinho instigante. Um Pinotage com acidez elevada, notas peculiares de frutas, leve em boca, em alguns momentos lembrou um Pinot Noir, muita evolução na taça e personalidade. Cresceu muito com a comida. Não é um vinho fácil de se beber, mas muito interessante. Gostei. Para finalizar, um vinho californiano com 16 anos de vida, gentilmente levado pelo Alain. Um Cabernet já maduro e bastante envolvente. Mais uma vez foi um ótimo encontro. Que venham outros!

Noite aprazível com amigos blogueiros

Nome: Estrelas do Brasil /  Villa Francioni
Safra: - / 2012
País: Brasil
Região: Serra Gaúcha / Santa Catarina
Produtor: Estrelas do Brasil / Villa Francioni
Importador: -

Uvas/Corte: Chardonnay, Viognier e Riesling Itálico/ Sauvignon Blanc
Teor alcoólico: 12,5%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: Restaurante Aprazível, em Santa Teresa, Rio de Janeiro
Quando foi comprado: 12 de março de 2014
Degustado em:  12 de março de 2014
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Restaurante Aprazível, em Santa Teresa, Rio de Janeiro
Com quem: Claudio, Rafaela, Beto, Renata e Daniel

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela

O Encontro de Vinhos já se tornou uma tradição no calendário de eventos de vinho no Rio de Janeiro, o que me deixa bem feliz. Desta vez, o Dani conseguiu até dar uma passadinha aqui em casa. Fomos jantar no Aprazível, em Santa Tereza, lugar arejado, simpático e com ótimos pratos. Beto foi quem escolheu as bebidas. Eu já havia provado este espumante e novamente achei que ele não é para mim, forte demais para o meu gosto (forte = amargo). Já o vinho da Villa Francioni desce mais harmonioso.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual:
Exame olfativo:
Exame gustativo: Os amigos blgueiros Daniel Perches e Beto Duarte chegaram ao Rio para mais uma edição do Encontro de Vinhos no Rio de Janeiro. O Encontro de Vinhos é um evento organizado pela dupla reunindo diversos importadores e produtores de vinhos. O evento tem cinco edições durante o ano. Certamente uma das mais animadas é a do Rio, sempre um sucesso de público. O evento já faz parte do calendário dos eventos de vinho mais importantes da cidade. Beto e Daniel chegaram na véspera do evento. Combinamos de ir ao agradável restaurante Aprazível em Santa Tereza. Para quem não conhece, o Aprazível tem uma excelente carta de vinhos com foco em vinhos brasileiros de pequenos produtores. Assim o Beto escolheu dois vinhos interessantes, o primeiro foi o espumante Estrelas do Brasil Brut, um espumante de boa complexidade, estrutura e corpo, com leves notas oxidadas. Um espumante de personalidade e bem interessante, que funciona bem com comida. O segundo vinho da noite foi o ótimo Vila Francioni Sauvignon Blanc, um exemplar com boa tipicidade, boa acidez e complexidade. Um vinho branco brasileiro que merece ser provado. Foi uma noite bem agradável, bem aprazível. Quem também estava no restaurante era o cantor Jack Jonhson.

1 de junho de 2014

Berço do Infante 2009, um vinho português fácil de beber

Nome: Berço do Infante
Safra: 2009
País: Portugal
Região: Estremadura
Produtor: Martim Joannes Gradil
Importador: -

Uvas/Corte: Aragonez e Castelão
Teor alcoólico: 13%
Rolha: Cortiça
Numeração da garrafa: -
Preço: -
Onde foi comprado: -
Quando foi comprado: Gentilmente presenteado pelo Mario
Degustado em:  8 de março de 2014
Onde Bebeu: Em casa, no Rio
Harmonizado com: Pizzas caseiras
Com quem: Claudio e Rafaela

Comentário do Produtor
-

Impressões da Rafaela

Vinho bem feito, não muito complexo, foi muito bem com nossa pizza. Hoje acordei bem cedo para terminar um frila - uma tradução de verbetes de futebol do alemão para o português. Talvez fosse mais fácil se eu entendesse de futebol. Bom, mas deu tudo certo e ao meio-dia o trabalho estava concluído. À tarde fizemos compras, fomos novamente ao peruano (Lima) e Claudio dez a massa das pizzas que comeríamos hoje à noite. Ficaram muito boas. O vinho foi um bom companheiro.

Comentário do Claudio
Rótulo: 
-
Exame visual:
Exame olfativo: Nariz bem frutado, apareceu leve nota de álcool.
Exame gustativo: Para acompanhar a nossa pizza, escolhemos este vinho português, presente do meu amigo Mario. Um vinho da região da Estremadura, bem feito, jovem, com muita fruta presente, um vinho português bem típico. Vinho fácil de se beber, sem complicações, boa fruta e sem excessos, um bom vinho para o seu dia-a-dia. Foi bem com a nossa pizza.